Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Resultado de imagem para o poverello imagem

Unidade de Cuidados Continuados O Poverello

O Poverello, Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos, situada em Braga, é uma grande família unida, para o cuidar e amar o próximo! O que mais define o ser humano não é a capacidade de pensar, nem é a possibilidade de criar, mas, principalmente, sua vocação de cuidar.

A Unidade de Cuidados Paliativos, umas da nossas valências, sendo que  Organização Mundial de Saúde define cuidados paliativos como os cuidados que visam melhorar a qualidade de vida dos doentes e as suas famílias, que enfrentam problemas decorrentes de uma doença incurável e/ou grave e com prognóstico limitado, através da prevenção e alívio do sofrimento, com recurso à identificação precoce e tratamento rigoroso dos problemas não só físicos, nomeadamente a dor, mas também dos psicológicos, sociais e espirituais.  A UCP tem capacidade para acolher 10 utentes, sendo que a previsibilidade de dias de internamento se situe nos 30 dias. O internamento na Unidade de Cuidados Paliativos não tem custos para o doente.

A equipa da UCP abrange médicos, enfermeiros, auxiliares de ação médica e os demais membros da equipa multiprofissional.

AMOR é a palavra, o sentimento chave em todas as atividades aqui desenvolvidas.

“O amor é paciente, o amor é prestável, não é invejoso, não é arrogante nem orgulhoso, nada faz de inconveniente, nem procura o seu próprio interesse.

Não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade. Tudo desculpa tudo crê tudo espera tudo suporta.”

Coríntios 13 4:7

 Partilhamos convosco a vivencia de duas profissionais que vivem o dia-a-dia dos cuidados Paliativos.

Fátima Anunciação, auxiliar de ação médica, trabalha connosco desde 2012. 

 “O meu nome é Fátima e sou auxiliar de ação médica. Vou partilhar um pouco da minha experiência de trabalho nos cuidados paliativos.

Para mim, trabalhar em Cuidados Paliativos, não é apenas tratar da doença ou conceder conforto no final de vida dos utentes, mas também dar apoio em todas as circunstâncias, carinho, conversar e até brincar quando possível… dar a mão ao doente e ficar simplesmente assim, até ao momento da sua partida, se assim acontecer.

 Isto tudo acontece nesta unidade. Nunca é fácil para ninguém lidar com estas situações, por isso é que muita gente, ainda hoje, pergunta-me como consigo. Simplesmente respondo que não foi fácil no início habituar-me a esta realidade, mas hoje quando o faço sinto-me realizada e cheia de graça, por poder proporcionar bons momentos ao doente no seu limiar da vida.

Hoje, posso dizer que algumas partidas são muito bonitas. Sinto realmente a tranquilidade do doente, a sua paz por saber que está alguém do seu lado até ao último suspiro, e é tão reconfortante vê-los partir desta forma…digo-lhes sempre para não terem medo, pois estaremos ali com eles sem os abandonar!

Só quem vive situações como estas, é que realmente entende o que é uma partida bonita, sim porque a morte pode ser bonita, apenas temos de a saber proporcionar.

Até aos dias de hoje, recordo no meu coração cada doente que tive a oportunidade de auxiliar. Posso afirmar que houve situações que realmente me ficaram para a vida, resultando num tremendo enriquecimento a nível pessoal.

Todos os dias nos deparamos com um novo desafio e é por isso que somos constantemente valorizados pela responsabilidade e motivação para fazer sempre melhor.”

Claúdia Bueno e Souza, médica e diretora técnica da Unidade de Cuidados Paliativos, formada há 26 anos, 20 dos quais dedicados aos Cuidados Paliativos, deixa também o seu testemunho:

“Quando escolhemos fazer medicina o cuidar do outro é o grande objetivo enquanto profissionais, mas foi nos cuidados Paliativos descobri que além do cuidado durante a vida é preciso olhar o doente quando já não há mais “possibilidade de curar”. Nesta fase é preciso além do conhecimento técnico, devemos ter um olhar humanista e de compaixão.

Sinto-me realizada quanto ao papel social que pratico. Enquanto profissional da saúde, reforço diariamente os objetivos dos Cuidados Paliativos para que possamos dar a melhor assistência aos doentes no final do percurso de suas vidas.

Quero destacar que não seria possível sem estar inserida numa equipa multiprofissional, assim o cuidado é global (da pessoa doente e de sua família), num momento de grande fragilidade física, social e emocional.”

Estar a Serviço da Vida é apoiá-la na continuidade em todas as suas fases. Viver é uma arte, e entende-se que há aqueles que vivem para dar a vida em favor do próximo.

Frei Jacó Silva, fnpd

Luciano Luiz Leite da Silva
Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Por uma Cultura da Vida – 12